Destaques

3 Julho 2024
A Sociedade Brasileira de Clínica Médica firmou uma parceria com a Med.IQ Academy, referência em Educação Médica, para desenvolver conteúdos e cursos de alta qualidade, visando sempre a excelência...
17 Junho 2024
Prof. Dr. Renato Delascio Lopes, diretor de Assuntos Internacionais da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, foi selecionado entre os Pesquisadores Altamente Citados pelo tradicional ranking...
24 Mai 2024
Artigo de Luiz Guilherme Camargo de Almeida Presidente da Regional Alagoas da Sociedade Brasileira de Clínica Médica Recentemente, fui chamado para dar um parecer sobre um caso na Sala de Emergência...

PARIS, 6 Jan 2011 (AFP) -Um estudo de 1998 que semeou pânico no mundo anglo-saxão ao vincular o autismo infantil à vacina tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) foi uma "falsificação elaborada", assinala nesta quinta-feira o British Medical Journal (BMJ).

A revista médica britânica The Lancet se retratou formalmente, em fevereiro de 2010, sobre esta investigação e decidiu retirar o artigo publicado, o que provocou uma queda da vacinação com a tríplice na Grã-Bretanha.

The Lancet havia reconhecido já em 2004 que não devia ter publicado o estudo dirigido pelo dr. Andrew Wakefield, que fazia temer um possível vínculo entre a vacina tríplice viral e o autismo, e que provocou uma grande controvérsia na Grã-Bretanha.

Várias investigações (britânica, canadense, americana), publicadas depois do controvertido estudo, que só levou em conta uma amostragem de 12 crianças, não encontrou qualquer correlação entre o aparecimento do autismo e a vacina tríplice.

De fato, o principal autor do estudo, que criou pânico ao publicar seu estudo na prestigiosa revista médica, foi acusado de irregularidades e de ter levado adiante uma pesquisa sem respeitar a ética médica.

The Lancet, ao retratar-se do artigo, acatou uma decisão do General Medical Council (Conselho Geral de Medicina) britânico, segundo o qual alguns elementos do artigo de 1998 de Wakefield e seus coautores eram inexatos e seus métodos de pesquisa pouco éticos.

Em março passado, a justiça americana rejeitou qualquer vínculo entre a tríplice vacina administrada em William Mead quando era bebê e os sintomas de autismo que se desenvolveram mais tarde.

Três famílias já viram rejeitadas suas demandas por casos similares.

A atitude de muitos pais, de se negar a vacinar seus filhos contra as infecções infantis, contribuiu para um aumento de casos de sarampo nos Estados Unidos e em alguns países europeus há muitos anos, segundo os serviços americanos de controle e prevenção de doenças.

Fonte:  AFP, 6 DE JANEIRO DE 2011